CARICATURAS AO VIVO EM FESTAS OU EVENTOS PARTICULARES, PROMOCIONAIS OU CORPORATIVOS

CARICATURAS AO VIVO EM FESTAS OU EVENTOS PARTICULARES, PROMOCIONAIS OU CORPORATIVOS
Procedimento: Após a contratação do serviço, o cliente deve efetuar o depósito referente a 50% (agendamento) do valor acordado pelas partes, na seguinte conta: JOAO CARLOS MATIAS DO NASCIMENTO Banco: CAIXA Agência: 3825 Local: ARMAÇÃO DOS BÚZIOS/RJ Conta: 013 00006663-5 " E ENVIAR O COMPROVANTE PARA O E-MAIL: cartunistacarioca@hotmail.com O valor restante (50%) deverá ser pago em "CASH" na apresentação/entrega do serviço. Caso seja evento de CARICATURAS AO VIVO, os 50% referente à entrega do serviço deverá ser pago "NA CHEGADA CHEGADA AO EVENTO", uma vez que, por conta de experiências anteriores, alguns clientes pagavam em cheque ou pelo fato de eu ter que esperar o final do evento para receber e os contratantes excediam o tempo limite de 04hs. PARA EVENTOS EM OUTROS MUNICÍPIOS/ESTADOS: Caberá ao contratante o pagamento referente ao deslocamento, alimentação e estadia (valores inclusos nos 50% do agendamento).

domingo, 21 de novembro de 2010

ESTOU BROXANDO...

...
Pelo menos em relação aos três últimos concursos de humor que aconteceram aqui no Brasil, fiquei com a sensação de que a minha ausência no concurso me agregou mais do que eu poderia ter conquistado, caso tivesse participado.
A dinâmica foi exatamente a mesma e, a sensação que tive foi a de que perder o tesão não é tão ruim assim... Sobretudo aqui no Brasil onde boa parte dos organizadores confundem desenvolvimento de marketing com competência.

Não estou pedindo que concordem com a minha opinião, estou deixando claro meu ponto de vista.

Já escrevi anteriormente em algumas postagens, que é inconcebível querer que entendamos sermos carentes de profissionais competentes para que nas comissões não hajam nomes diferentes.
Mais difícil ainda é acreditar que os mesmos camaradas que traçam estratégias políticas com uma infinidade de gente, desconheçam outros tantos profissionais capacitados para que hajam mudanças.
Qual é o medo? De repente colocar um camarada que entenda tudo sobre técnica e desconheça a assinatura de um Boligán ou outro cartunista badalado?
Imaginem...
Um sujeito competente tecnicamente, mas que desconheça o nome de alguns cartunistas e esteja em uma comissão julgadora. Provavelmente ele irá analisar o trabalho de um desses titãs do cartum como o trabalho de qualquer mortal. E se o mesmo não premiar o titã, na hora irá ouvir o coro uníssono: _Nossa! Não premiou fulano-de-tal... Que sacrilégio.
E ai as coisas continuam. Não estou cogitando nem elocubrando, estou falando de experiência pessoal.
Aí os jurados imaginam que o fato de premiarem determinados artistas por sua projeção internacional é credibilizar um evento. Ao contrário, deixar de premiá-los quando os mesmos fizerem trabalhos mediocres (porque também fazem) é o que denota coerência e respeito com os demais concorrentes.
Cartum é "piada gráfica"... mas onde? Aqui no Brasil?
Somos a nação mais brincalhona do mundo em vários aspectos. Temos a maior manifestação popular do mundo (carnaval), o futebol mais alegre e tantas outras manifestações... Mas e o cartum? Que graça tem? Pelo que as comissões julgadores tem promovido há muito tempo, não tem graça nenhuma.
Muitos jurados insistem em promover a assinatura e não a essência do trabalho julgado.
Aí o que vemos são as importações de artistas, como se os nossos tivessem sido acometidos por uma amnésia de traço constantemente.
Como dizem por aí: "_Não há bem que sempre dure, nem mal que nunca acabe."
Mas que esse ciclo está demorando está.
...

No decorrer dessa semana que se encerrou foram as mensagens que recebi em relação ao salão de BH. Eu não participei, mas alguns companheiros me mandaram várias mensagens questionando algumas peculiaridades e eu achei divertidíssimo.

Como não participei do evento, não me coube qualquer tipo de descontentamento.
Descobri que estou broxando em relação aos salões de humor... e numa boa.

Para refletir:
Sentir tesão por àquilo que nos promove desejo é extremamente prazeroso... Mas não sentir tesão, pode ser tão prazeroso quanto.

Pelo menos não corro o risco de passar pela análise dos proctologistas de salões que se divertem, dando dedadas no rabo de um monte de gente.

O prazer hoje está em tirar da reta.

Valeu!

8 comentários:

Eder Galdino disse...

Você acaba de falar por centenas de cartunistas!

Zé Roberto Graúna disse...

Eu, hein! Centenas de cartunistas, Eder? Perdão dar pitaco nesse papo chato (de novo!), mas eu continuo esperando o dia que os ganhadores dos salões vão criticar os eventos vencidos por eles. Já disse uma vez no Brazil Cartoon na seção scrapbook (é assim que escreve essa parada?) que só reclama quem não ganha. Na Laura Alvim, que durante um tempo foi o mais criticado dos salões, todo ano um colega metia o pau no salão, insinuando que os resultados eram marmelada. Mas aí, o nobre colega ganhou um prêmio, então o salão passou a ser "sério". Conforme disse no BC: criticar de forma sóbria é democrático, reclamar "porque eu não ganhei" é chororô!

Zé Roberto Graúna disse...

Mudando de assunto... Gostaria de sugerir aos colegas que seguem este blog, e obviamente, a você Mattias, que prestigiem os raros eventos de humor gráfico que acontecem no RJ. Tenho percebido que nos lançamentos de livros, exposições e encontros, os que mais reclamam das coisas são os menos frequentes. Entendo que fomentar cultura exige participação efetiva.
Em dezembro, dia 14, vou inaugurar a exposição que comemora os 100 de Nássara. Trata-se do resultado de um trabalho árduo iniciado há quase 2 anos. Estou cobrando, antecipadamente, a presença dos colegas! Breve, envio por e-mail, o convite e os detalhes deste evento. Quem quiser receber o convite, por favor, me escreva pedindo. Abraços!

Mattias disse...

Salve Eder e Zé...

Opiniões são assim mesmo. Por exemplo, sempre fui um dos mais críticos (presumo) em relação ao Salão Carioca de Humor, onde tive seis trabalhos premiados e continuo achando que poderia ter sido diferente... Não pelas conquistas que obtive, mas pela não promoção de outros tantos companheiros.
Senão estou equivocado, o Salão Carioca de Humor foi onde obtive o maior número de premiações, mas mantenho a minha opinião em relação ao mesmo. Inclusive a mesma opinião que sustento, foi dita quando fui receber a premiação do mestre de cerimônia Leandro Hassum, lá no palco e quando recebi o troféu.

Acredito que hajam centenas de cartunistas com opiniões convergentes àquelas que eu emito, da mesma forma que existam outras centenas com opiniões divergentes e o bacana é isso, opinar.
mas desejo que todos tenham as mesmas possibilidades. Afinal ser premiado em condições de igualdade é tão democrático quanto emitir uma opinião... ou chorar por ter perdido.

Eder e Zé, valeu pelos comentários.

Silvério disse...

Pau neles!!!!! ABRÇS.

Dodô disse...

Que coinscidência...juro por Deus, hoje estava navegando por sites de humor gráfico, e pensei "putz, que broxante"...depois entrei aqui no seu blog...e vc usou o mesmo termo pro título do seu post...rsrsrs...

Bom, esse ano fui premiado em um Salão de Humor e selecionado em outros vários, mas isso não significa, para mim, que está tudo certo. Acho que muita coisa tem que mudar, o formato atual dos salões está afastando os cartunistas mais jovens e desconhecidos.

Jonas Santos disse...

Sem estender o assunto qe realmente é triste pois concordo totalmente com o Mattias, não só pelof ato de nunca ter ganho, apesar de ter participado apenas do sultimos salões de Paraguaçu e o de BH, mas acho que o "humor" na maioria dos salões que eu vejo está se perdendo, seja pelos pesos pesados , seja pelos novos cartunistas, acoho que na maioria dos resultados nos dois casos o premiados não são tão interessante quanto os que ganham uma menção honrosa pelo menos... um dos últimos que vi que foi interessante foi o Salão Dino (de Santos)...

Mattias disse...

Silvério, Dodô e Jonas...

A opinião de vocês é de fundamental importância. Penso que a promoção de idéias sejam extremamente importantes para o desenvolvimento.
Se não falarmos que as coisas não estão boas (quando assim acreditarmos), quem está à frente das propostas irão achar que está tudo bem.
Abraços a vocês e obrigado pela participação